fbpx Skip to main content

7 livros que toda mulher precisa ler nesse ano!

Filmes e séries têm o seu lugar, principalmente na era do Netflix. Mas existe algo mais edificante do que a leitura de um bom livro?

Independente do gênero, é comprovado que o hábito de ler impacta diretamente na sua qualidade de vida.

A leitura é capaz de ampliar seu vocabulário, conhecimentos e habilidades de escrita, te ajuda a dormir melhor, abre sua mente e te empodera mais! Precisando de indicações de livros? Aqui está! Fizemos uma seleção especial que vai de obras de autoajuda à livros mais cabeças, passando por biografias e um bom romance S2. Das 7 obras selecionadas, 5 são assinadas por mulheres. Boa leitura!

sugestões de livros
7 livros que toda mulher precisa ler!

Escolha sua vida, de Paula Abreu

Sabe aquela vontade de mudar tudo na sua vida? Pode ser a área profissional, pessoal e/ou sentimental. Se você está passando por essa fase, o livro Escolha sua vida é pra você. Escrito por Paula Abreu, coach que abandonou a carreira na área de advocacia para ajudar outras pessoas a se encontrarem na vida, a obra vai te ajudar a desfazer suas crenças limitantes, encontrar seu propósito e te inspirar a criar suas próprias regras para, enfim, viver do jeito que sempre quis.

Recalculando a Rota, Alana Trauczynski

A turismóloga Alana Trauczynski precisou dar várias voltas ao mundo para se conhecer melhor. Atualmente, ela é uma profissional multitarefa que ajuda pessoas que sentem perdidas – assim como ela se sentiu por muito tempo. A leitura de Recalculando a Rota, romance autobiográfico de Alana é, no mínimo, inspiradora.

Eu receberia as piores noticias de seus lindos lábios, de Marçal Aquino

Você acha que todas as histórias de amor são clichês, piegas e água com açúcar? Você provavelmente nunca leu Eu receberia as piores noticias de seus lindos lábios, de Marçal Aquino. O romance é narrado pelo fotógrafo Cauby. Quando ele vai morar em uma pequena cidade do Pará, se envolve com uma mulher misteriosa, sensual e casada com o pastor da cidade, formando assim um improvável triângulo amoroso.

Faça Acontecer, de Sheryl Sandberg

Em tempos de empoderamento feminino, nada mais empoderador do que ler uma obra escrita por uma mulher empoderada. Trava-línguas à parte, em Faça Acontecer, de Sheryl Sandberg, poderosa COO do Facebook, ela fala sobre o desafiador papel das mulheres no mercado de trabalho e em cargos de liderança, além de propor soluções para esses entraves.

Mulheres que correm com os lobos, Clarice Pinkola Estés

O livro Mulheres que correm com os lobos, da psicóloga junguiana Clarice Pinkola Estés, faz parte da cabeceira de vários analistas, juguianos ou não. Por meio de metáforas, a autora explica como a mulher foi se domesticando e reprimindo sua essência selvagem ao longo dos tempos. Imperdível!

Sou Malala, de Malala Yousafzai

A história de uma paquistanesa que pôs a boca no trombone ao escrever um blog sobre a vida dominada pelo Talibã e lutou pelo acesso feminino à educação – a ponto de levar um tiro por isso e sobreviver é, no mínimo, inspiradora. Você pode conferir a biografia pela voz da biografada em Sou Malala, por Malala Yousafzai.

Amor Líquido, de Zygmunt Bauman

Entediada com relacionamentos tão superficiais e momentâneos? Amor Líquido, de Zygmunt Bauman não é exatamente um guia de como resolver esses problemas, e sim uma tentativa de explicar os motivos pelos quais as pessoas gostam tanto de falar sobre relacionamentos e, ao mesmo tempo, sentem medo em aprofundá-los.

 

PS: Ainda sobre livros incríveis que você precisa ler, a Sachets lançou um e-book totalmente gratuito sobre como fazer o tempo trabalhar a seu favor! Se quiser fazer o download é só clicar no link abaixo:

Dia da Mulher: ainda temos muito o que conversar!

Nenhum Dia da Mulher será como o de 2018…

Neste ano, a data é ainda mais internacional e emblemática, redimensionada por discussões pertinentes em todo o mundo.

Desde outubro de 2017, certos fatos que ocorriam há anos por debaixo dos panos e tapetes glamourizados de Hollywood ganharam as manchetes no mundo todo.

Temos muito o que conversar!

Tudo começou com as denúncias feitas contra Harvey Weinstein…

O então poderoso produtor de cinema. Acusado de assédio por mais de 80 mulheres, o fato se desdobrou na denúncia de outros assediadores e gerou o protesto no Globo de Ouro deste ano, no qual as atrizes compareceram vestidas de preto.

Meses antes do escândalo em Hollywood, quem ganhou os holofotes por aqui foi o ator global José Mayer, acusado de assédio por uma figurinista da emissora.

No Brasil, questões semelhantes já vinham sendo discutidas pelas redes sociais desde 2015. Lembra das ações #meuamigosecreto e #primeiroassédio? Muito além das alfinetadas, as campanhas chamaram a atenção sobre como o machismo pode ser – e ainda é – velado.

Longe da competitividade tão atribuída às mulheres…

O que vemos cada vez mais é mulheres se unindo e lutando por mais respeito, paz e igualdade. Afinal, a desigualdade ainda existe, o que se reflete no mercado de trabalho e na diferença salarial entre homens e mulheres.

Apesar dos avanços – e é preciso celebrar cada vitória, sim…

A quantidade de mulheres em cargos altos ainda é menor que a quantidade ocupada por homens. Na ansiedade por se impor e na busca por mais igualdade, algumas mulheres se adequam ao mundo dos homens. Contraditoriamente, algumas dessas mulheres, quando chegam aos cargos de chefia adotam posturas que podem ser consideradas machistas, discriminando outras mulheres de acordo com o estado civil e por serem mães – ou não. Por isso, é preciso repetir: os avanços estão acontecendo, sim, mas ainda temos muito o que conversar!

#desabafo

Projeto Verão 2018 ou Projeto Forever?

É primavera. Penúltimo mês do ano. Nesta época, não falta gente focada no projeto verão, correndo atrás de tratamentos estéticos, dietas mirabolantes, ginásticas e demais procedimentos para ficar bem na foto e fazer bonito na praia, piscina ou cachoeira no início de 2018.

Não há nada errado em dar aquele gás no treino e na alimentação com o objetivo de ficar em forma para o verão e enfim finalizar o projeto verão. Problemático é não praticar atividades físicas e se alimentar de forma irregular durante o outono e o inverno, acreditando que na primavera é possível correr atrás do prejuízo e alcançar resultados desejáveis para estar em boa forma em janeiro. É o famoso projeto verão. Urgente, de última hora e com promessas a curto prazo.

Sensato é agir de forma responsável. Por que não adotar uma reeducação alimentar? É a maneira mais eficaz para acabar de vez com o efeito sanfona e manter o peso a longo prazo, e não apenas em determinada estação do ano. Afinal, o processo de emagrecimento e de manutenção de um peso ideal passa pela mudança de mentalidade e, consequentemente, de hábitos a serem adotados por toda a vida.

A alimentação pode ser ajustada ao clima e às demandas. O inverno é a estação ideal para consumir sopas, por exemplo. O verão, por sua vez, pede alimentos mais leves e frescos, como sucos e saladas. Se você já se alimenta de forma correta e se exercita regularmente, consultar um nutricionista ou profissional de educação física para melhorar ainda mais o shape – se for o seu desejo – é uma ótima opção.

projeto verao
O verão pede alimentos mais leves

As atividades físicas também podem passar por adaptações – e há bons motivos para você fazer isso. Você sabia que se exercitar no inverno pode aumentar a queima de calorias em até 30% a mais que nas demais estações? É isso mesmo, não ceda a preguiça nessa época e em nenhuma outra. Com o horário de verão, bom mesmo é aproveitar o dia mais longo para se exercitar – nas ruas, na academia ou nas quadras. Outro bom motivo para não cair no sedentarismo.

Afinal, o segredo para atingir – e manter – a boa forma não está nas dietas da moda, no jejum intermitente, no projeto verão que se inicia no final ano, nem em falsas promessas. A solução está na mudança de hábitos a médio e longo prazo.

Já basta a correria típica dos finais de ano, marcada por fechamentos em empresas, festas, planejamentos para o ano seguinte, presentes e afins. Você não precisa de mais um motivo para se estressar nesta época. Por isso mesmo, evite projetos com resultados a curto prazo. Troque o projeto verão pelo projeto forever a partir de hoje. Busque sempre o equilíbrio e o bom senso, em todas as estações do ano. Por falar em fim de ano, cuidado com as festas e todas as suas tentações gastronômicas. Não se preocupe: não vou me estender agora. Isso é assunto para o próximo post 😉

Todo mundo (acha que) é nutricionista. E agora?

Todo mundo (acha que) é nutricionista. E agora?

É o chef do programa de TV, a ex-participante de reality show e a musa fitness das redes sociais. Ultimamente, todo mundo fala, age e posta como se fosse nutricionista. E agora?

No último Dia do Nutricionista, pude verificar pelas redes sociais, em meio aos parabéns e felicitações a esses profissionais, alfinetadas direcionadas às pessoas que não possuem formação em Nutrição, mas que se comportam como tal. Por meio da hashtag #eutenhoCRN, muitos profissionais defenderam seu ofício e alertaram sobre quem é e, principalmente, quem não é nutricionista. Um outro post era ilustrado com a imagem de Albert Einstein acompanhada de uma sarcástica frase: “ser nutricionista é tão bom que todo mundo acha que é”.

Na era das redes sociais, dos memes e da descentralização da informação, imagens falam mais do que mil palavras. Neste contexto, raros são os profissionais da Nutrição que não possuem perfis nas redes sociais ou alguma presença digital. Por meio do Instagram, rede que cresceu exponencialmente nos últimos anos, há profissionais sérios e respeitados que compartilham um pouco do seu conhecimento em meio aos registros de passeios, treinos, refeições e preparo de receitas. E tudo bem – desde que se aja com ética, competência e profissionalismo.

Enquanto isso, há um sem-número de blogueiras e youtubers – também conhecidas como digital influencers – que publicam imagens e vídeos praticando exercícios físicos, cozinhando e se alimentando. Atrás delas, há um séquito de seguidoras em busca de um shape mais magro e definido. Entre as blogueiras mais requisitadas, há quem fature R$200 mil por mês!

Este fenômeno provoca muitas reflexões e questionamentos. É positivo ou não? Quais são os impactos? As informações publicadas pelas influencers possuem respaldo científico?

Por um lado, as influencers que não possuem formação na área de saúde não são vistas com bons olhos. Os Conselhos de Educação Física e de Nutrição recebem reclamações de pessoas que passaram mal após consumirem alimentos indicados por blogueiras, dentre outras acusações.

Por outro lado, as digital influencers do meio fitness podem inspirar pessoas que querem adotar um estilo de vida mais saudável, o que é mais do que bem-vindo. No entanto, mesmo que as informações sobre vida saudável possuam respaldo científico, o bom senso continua em alta.

Quem planeja voltar a praticar atividades físicas após um longo período de sedentarismo precisa consultar um médico antes, preferencialmente um cardiologista. Quem tem problemas nas articulações ou na coluna deve visitar um ortopedista. Quem deseja executar manobras complexas na musculação, pilates ou ioga deve fazê-lo sob a supervisão de um profissional especializado. Quem pretende seguir uma dieta, seja com o objetivo de emagrecer, ganhar massa magra e/ou mais saúde, deve procurar um nutricionista – e não seguir dietas da moda que prometem resultados a curto prazo. Afinal, não há post ou vídeo que substitua uma consulta ou orientação presencial e contínua com um bom profissional.